Índia – 27 de setembro – Udaipur

26,27 e 28 de setembro de 2012 – Udaipur – Índia

Udaipur é conhecida como a Veneza da Índia. Apesar de ser uma cidade grande, tem mais de 600 mil habitantes, seu centro histórico é charmoso e pitoresco.
Já foi a capital do Reino de Mewar e é conhecida por seus muitos palácios. Foi fundada em 1559 pelo Maharaja Udai Singh II. Diz a lenda que um dia quando estava caçando na região, Udai encontrou um ermitão que lhe pediu para que construísse um palácio nesse lugar e garantiu que seria bem protegido. O Maharaja não teve dúvidas e lá construiu um belo palácio. Depois de ter sua cidade de moradia atacada ele resolveu se mudar permanentemente para Udaipur e aproveitou para transformá-la na capital do reino.

O segundo hotel que ficamos em Udaipur é uma graça. Portas e janelas têm suas bordas pintadas com flores e designs coloridos. Um buda se encontra no meio do jardim interno rodeado por oferenda de flores. O quarto do hotel tem uma baywindow com sofá e vista para o lago. Quando acordamos para pegar o próximo voo foi possível ver a lua cheia e seu reflexo no lago.
Almoçamos em um restaurante na beira do lago Pitchula de onde é possível avistar o outro lado da margem que tem uma bela escada. Durante o dia vários grupos utilizam o espaço. Primeiro as mulheres que lavam roupas e terminam lavando seu sari e saem totalmente secas. Ainda não conseguimos entender como. Crianças aparecem no meio da manhã e se divertem muito pulando e mergulhando da plataforma. Mais tarde os homens aparecem e são um grupo bem mais quieto. Muitos também se lavam no lago.
Cashimiri pulau – arroz pulau com frutas secas, nozes, frutas frescas e uva passa.
Lá no outro dia eu também comi Frango Tikka Masala. Estava muito bom!
De sobremesa comemos gulab jamum. Veio quentinho e delicioso.
Andamos pela cidade que nessa área parece uma pequena vila. As ruas são bem estreitas e as lojas e restaurantes estão por toda a parte.
Comprei uma saia que foi ajustada em sua altura. A compra é muito engraçada. Antes da compra é fascinante. Ao sairmos do hotel indianos que trabalham nas lojas nos convidam a entrar na loja, nós respondemos, later, tomorrow, e eles dizem: promise? No dia seguinte eles dizem, today you make me happy? You promised. Ao entrar na loja eles perguntam o que queremos. Na primeira loja tinha panos e panos espalhados. De todas as cores e com um padrão mais lindo que o outro. Você podia escolher qualquer modelo de roupa que eles costuram e entregam no mesmo dia. Ele tinha um livro com mais de quinhentos modelos. Achei muito complicado e fui para outra loja que já tinha modelos prontos. Primeiro experimentei algumas saias, depois algumas calças, quando eu achei que estava satisfeita ele pergunta se eu não quero uma bata. De novo dou uma olhada e acabo pegando uma. Na hora de pagar ele olha para o Renato e diz que também tem roupas de homem. Cada vez que pensávamos em terminar a compra ele mostrava algo ainda mais bonito. Depois vem a barganha. Qualquer turista pagará mais que um indiano, no entanto quem barganha mais, paga menos e é engraçado ver o jogo. Tudo muito leve e divertido.  Entrei em outra loja que parecia ter muitas coisas mas que no fim só tinha chales e ao sair o funcionário me perguntou o que eu estava procurando. Ele sabia onde tinha e já me encaminhou para a loja. Isso parece ser muito comum, mesmo se a pessoa que você perguntar não puder te responder ela o levará onde tem o que você procura. Todos estão sempre dispostos a ajudar e talvez levar alguma comissão. O mocinho que me encaminhou para a segunda loja depois me perguntou quantos itens eu tinha comprado.
De tarde fomos ver um elefante. Ele é muito utilizado nos festivais para carregar os deuses. A Be foi muito corajosa e subiu no elefante em pelo e deu uma voltinha com o encarregado. Nem piscou. Passamos também pelo jardim da princesa. Um jardim muito grande com muitas fontes e um museu que parecia ser a exibição de projetos de ciência de estudantes da oitava série. Não deu para entender a conexão.

De noite eu fiquei bem cansada. Íamos comer em uma ilha com muitos restaurantes, no entanto a cidade teve um apagão e nosso hotel tinha um gerador. Achamos mais prudente ficar por perto. Comemos no ultimo andar do hotel que tem vista para o lago e para a cidade. De lá dava para ouvir duas músicas diferentes. Uma bem moderna e outra que parecia uma celebração. A lua estava quase cheia.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s