VEDUCA – Site de aulas interessantíssimas (Até de Harvard!)

Veduca – O propósito do site é democratizar a educação de alta qualidade no Brasil. Distribuir o conhecimento dos melhores professores e universidades do mundo – de graça, para todos. Dar acesso ao conhecimento, a qualquer pessoa interessada em melhorar sua vida. Simples assim.

Alguns exemplos dos vídeos disponíveis:

Curso: Ética e Justiça: O que é o certo a fazer – Harvard
Princípios morais em casos de assassinato

Quanto vale uma vida?

Curso: Evolução, Ecologia e Comportamento – Yale
A Natureza da Evolução: Seleção, Herança, e História

Como a Seleção Natural influencia a Composição Genética de uma População

Curso: Ciência, Misticismo e Religião – UCLA
Aula 1

 

 

 

Será que o Konny 2012 defende os direitos humanos ou é só uma propaganda?

Será que o video Kony divulgado em 2012 por Invisible Children está mesmo lutando pelos direitos humanos? Será bem intencionado? Ou será que tem outra agenda? Estaria tentando justificar um ataque militar americano? E o que aprendemos sobre Uganda no vídeo?
Programa CrossTalking com Julie Owono, Jendayi Frazer e Ayo Johnson em Março de 2012.

Fonte: CrossTalking

Konny 2012 – Legendado

Kony 2012 é o “viral” mais “viral” de todos os tempos. Tem cerca de 100 milhões de acessos   e veio parar na minhas mãos via Twitter. É um vídeo de 30 minutos lançado no YouTube e promovido por uma ONG norte-americana chamada Invisible Children. O Documentario se se espalhou pelas  redes sociais, contando as atrocidades cometidas pelo terrorista ugandense  Joseph Kony, líder do Exército da Resistência do Senhor (L.R.S) que   atuou em Uganda e países vizinhos da África durante  20 anos, aliciando  mais de 30.000 crianças  para promover assassinatos,sequestros e/ou utilizá-los como escravas sexuais. Konny fugiu há mais de seis anos e está sendo caçado pelo exército ugandense, mas sem sucesso, pois ninguém sabe quem é o terorista. Por isso o vídeo foi criado:para caçar, encontrar e prender Kony.

Entretanto, há polêmicas que envolvem o vídeo, pois segundo a imprensa  de Uganda  Kony é o menor males vivenciado por aquele povo, já que mesmo entendendo todo mal que ele fez e embora seu grupo ainda continue na ativa (mas enfraquecido) as questões sociais  como desemprego, fome, prostituição e a epidemia de HIV/AIDS são os problemas do país. Além disso, há mais de 4.000  crianças que sofrem de uma doença neurológica incurável  que não pára  de aumentar o número de óbitos. Neste caso, para os jornalistas ugandenses, criar todo este alvoroço para caçar Kony não seria o mais importante e emergencial, mas sim chamar a atenção do mundo para  as demandas sociais mais urgentes.   Polêmicas à parte, assista você mesmo o documentário e saiba quem é Konny.

Fonte: Oficina Sociológica

A história dos direitos humanos

O filme explica os direitos humanos através da sua dramática história, desenvolvimento e uso atual. O termo “direitos humanos” é familiar a quase qualquer pessoa, mas a importância dos direitos humanos frequentemente não é compreendida na sua totalidade. A História dos Direitos Humanos é a história dos direitos humanos que culmina numa única carta que os contém a todos: a Declaração Universal dos Direitos do Homem. Mas com a terrível realidade de abusos dos direitos humanos amplamente cometidos atualmente, o filme conta onde é que os direitos humanos devem começar para produzir uma mudança decisiva no vasto mundo.

Fonte: Humanrights.com

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS
Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da  Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Preâmbulo

Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus direitos iguais e inalienáveis é o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo,
Considerando que o desprezo e o desrespeito pelos direitos humanos resultaram em atos bárbaros que ultrajaram a consciência da Humanidade e que o advento de um mundo em que os homens gozem de liberdade de palavra, de crença e da liberdade de viverem a salvo do temor e da necessidade foi proclamado como a mais alta aspiração do homem comum,
Considerando essencial que os direitos humanos sejam protegidos pelo Estado de Direito, para que o homem não seja compelido, como último recurso, à rebelião contra tirania e a opressão,
Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,
Considerando que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, sua fé nos direitos humanos fundamentais, na dignidade e no valor da pessoa humana e na igualdade de direitos dos homens e das mulheres, e que decidiram promover o progresso social e melhores condições de vida em uma liberdade mais ampla,
Considerando que os Estados-Membros se comprometeram a desenvolver, em cooperação com as Nações Unidas, o respeito universal aos direitos humanos e liberdades fundamentais e a observância desses direitos e liberdades,
Considerando que uma compreensão comum desses direitos e liberdades é da mis alta importância para o pleno cumprimento desse compromisso,

A Assembléia  Geral proclama

A presente Declaração Universal dos Diretos Humanos como o ideal comum a ser atingido por todos os povos e todas as nações, com o objetivo de que cada indivíduo e cada órgão da sociedade, tendo sempre em mente esta Declaração, se esforce, através do ensino e da educação, por promover o respeito a esses direitos e liberdades, e, pela adoção de medidas progressivas de caráter nacional e internacional, por assegurar o seu reconhecimento e a sua observância universais e efetivos, tanto entre os povos dos próprios Estados-Membros, quanto entre os povos dos territórios sob sua jurisdição.

Artigo I

Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotadas de razão  e consciência e devem agir em relação umas às outras com espírito de fraternidade.

Artigo II

Toda pessoa tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, língua,  religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento, ou qualquer outra condição.

Artigo III

Toda pessoa tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.

Artigo IV

Ninguém será mantido em escravidão ou servidão, a escravidão e o tráfico de escravos serão proibidos em todas as suas formas.

Artigo V

Ninguém será submetido à tortura, nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante.

Artigo VI

Toda pessoa tem o direito de ser, em todos os lugares, reconhecida como pessoa perante a lei.

Artigo  VII

Todos são iguais perante a lei e têm direito, sem qualquer distinção, a igual proteção da lei. Todos têm direito a igual proteção contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação.

Artigo VIII

Toda pessoa tem direito a receber dos tributos nacionais competentes remédio efetivo para os atos que violem  os direitos fundamentais que lhe sejam reconhecidos pela constituição ou pela lei.

Artigo IX

Ninguém será arbitrariamente preso, detido ou exilado.

Artigo X

Toda pessoa tem direito, em plena igualdade, a uma audiência justa e pública por parte de um tribunal independente e imparcial, para decidir de seus direitos e deveres ou do fundamento de qualquer acusação criminal contra ele.

Artigo XI

1. Toda pessoa acusada de um ato delituoso tem o direito de ser presumida inocente até que a sua culpabilidade tenha sido provada de acordo com a lei, em julgamento público no qual lhe tenham sido asseguradas todas as garantias necessárias à sua defesa.            2. Ninguém poderá ser culpado por qualquer ação ou omissão que, no momento, não constituíam delito perante o direito nacional ou internacional. Tampouco será imposta pena mais forte do que aquela que, no momento da prática, era aplicável ao ato delituoso.

Artigo XII

Ninguém será sujeito a interferências na sua vida privada, na sua família, no seu lar ou na sua correspondência, nem a ataques à sua honra e reputação. Toda pessoa tem direito à proteção da lei contra tais interferências ou ataques.

Artigo XIII

1. Toda pessoa tem direito à liberdade de locomoção e residência dentro das fronteiras de cada Estado.            2. Toda pessoa tem o direito de deixar qualquer país, inclusive o próprio, e a este regressar.

Artigo XIV

1.Toda pessoa, vítima de perseguição, tem o direito de procurar e de gozar asilo em outros países.            2. Este direito não pode ser invocado em caso de perseguição legitimamente motivada por crimes de direito comum ou por atos contrários aos propósitos e princípios das Nações Unidas.

Artigo XV

1. Toda pessoa tem direito a uma nacionalidade.            2. Ninguém será arbitrariamente privado de sua nacionalidade, nem do direito de mudar de nacionalidade.

Artigo XVI

1. Os homens e mulheres de maior idade, sem qualquer retrição de raça, nacionalidade ou religião, têm o direito de contrair matrimônio e fundar uma família. Gozam de iguais direitos em relação ao casamento, sua duração e sua dissolução.            2. O casamento não será válido senão com o livre e pleno consentimento dos nubentes.

Artigo XVII

1. Toda pessoa tem direito à propriedade, só ou em sociedade com outros.            2.Ninguém será arbitrariamente privado de sua propriedade.

Artigo XVIII

Toda pessoa tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião; este direito inclui a liberdade de mudar de religião ou crença e a liberdade de manifestar essa religião ou crença, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pela observância, isolada ou coletivamente, em público ou em particular.

Artigo XIX

Toda pessoa tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras.

Artigo XX

1. Toda pessoa tem direito à  liberdade de reunião e associação pacíficas.            2. Ninguém pode ser obrigado a fazer parte de uma associação.

Artigo XXI

1. Toda pessoa tem o direito de tomar parte no governo de seu país, diretamente ou por intermédio de representantes livremente escolhidos.            2. Toda pessoa tem igual direito de acesso ao serviço público do seu país.            3. A vontade do povo será a base  da autoridade do governo; esta vontade será expressa em eleições periódicas e legítimas, por sufrágio universal, por voto secreto ou processo  equivalente que assegure a liberdade de voto.

Artigo XXII

Toda pessoa, como membro da sociedade, tem direito à segurança social e à realização, pelo esforço nacional, pela cooperação internacional e de acordo com a organização e recursos de cada Estado, dos direitos econômicos, sociais e culturais indispensáveis à sua dignidade e ao livre desenvolvimento da sua personalidade.

Artigo XXIII

1.Toda pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha de emprego, a condições justas e favoráveis de trabalho e à proteção contra o desemprego.            2. Toda pessoa, sem qualquer distinção, tem direito a igual remuneração por igual trabalho.            3. Toda pessoa que trabalhe tem direito a uma remuneração justa e satisfatória, que lhe assegure, assim como à sua família, uma existência compatível com a dignidade humana, e a que se acrescentarão, se necessário, outros meios de proteção social.            4. Toda pessoa tem direito a organizar sindicatos e neles ingressar para proteção de seus interesses.

Artigo XXIV

Toda pessoa tem direito a repouso e lazer, inclusive a limitação razoável das horas de trabalho e férias periódicas remuneradas.

Artigo XXV

1. Toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência fora de seu controle.            2. A maternidade e a infância têm direito a cuidados e assistência especiais. Todas as crianças nascidas dentro ou fora do matrimônio, gozarão da mesma proteção social.

Artigo XXVI

1. Toda pessoa tem direito à instrução. A instrução será gratuita, pelo menos nos graus elementares e fundamentais. A instrução elementar será obrigatória. A instrução técnico-profissional será acessível a todos, bem como a instrução superior, esta baseada no mérito.            2. A instrução será orientada no sentido do pleno desenvolvimento da personalidade humana e do fortalecimento do respeito pelos direitos humanos e pelas liberdades fundamentais. A instrução promoverá a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas as nações e grupos raciais ou religiosos, e coadjuvará as atividades das Nações Unidas em prol da manutenção da paz.            3. Os pais têm prioridade de direito n escolha do gênero de instrução que será ministrada a seus filhos.

Artigo XXVII

1. Toda pessoa tem o direito de participar livremente da vida cultural da comunidade, de fruir as artes e de participar do processo científico e de seus benefícios.            2. Toda pessoa tem direito à proteção dos interesses morais e materiais decorrentes de qualquer produção científica, literária ou artística da qual seja autor.

Artigo XVIII

Toda pessoa tem direito a uma ordem social e internacional em que os direitos e  liberdades estabelecidos na presente Declaração possam ser plenamente realizados.

Artigo XXIV

1. Toda pessoa tem deveres para com a comunidade, em que o livre e pleno desenvolvimento de sua personalidade é possível.            2. No exercício de seus direitos e liberdades, toda pessoa estará sujeita apenas às limitações determinadas pela lei, exclusivamente com o fim de assegurar o devido reconhecimento e respeito dos direitos e liberdades de outrem e de satisfazer às justas exigências da moral, da ordem pública e do bem-estar de uma sociedade democrática.            3. Esses direitos e liberdades não podem, em hipótese alguma, ser exercidos contrariamente aos propósitos e princípios das Nações Unidas.

Artigo XXX

Nenhuma disposição da presente Declaração pode ser interpretada como o reconhecimento a qualquer Estado, grupo ou pessoa, do direito de exercer qualquer atividade ou praticar qualquer ato destinado à destruição  de quaisquer dos direitos e liberdades aqui estabelecidos.

O Banqueiro

Banqueiro comenta seu pontos de vista sobre o direito da elite de controlar a vida de todos.
Vídeo em Inglês. Texto do vídeo está em inglês abaixo.

Performed By Mike Daviot
Written,Directed and Produced By: Craig-James Moncur

Hello, my name is Montague William 3rd and what I will tell you may well sound absurd, but the less who believe it the better for me.
For you see I’m in Banking and big industry.  For many a year we have controlled your lives.  While you all just struggle and suffer in strife, we created the things that you don’t really need. Your sports cars and Fashions and Plasma TV’s.  I remember it clearly how all this begun.
Family secrets from Father to Son, inherited knowledge that gives me the edge, while you peasants, people lie sleeping at night in your beds.  We control the money that controls your lives.  Whilst you worship false idols and wouldn’t think twice of selling your souls for a place in the sun.  These things that won’t matter when your time is done, but as long as they’re there to control the masses I just sit back and consider my assets, safe in the knowledge that I have it all, while you common people are losing your jobs.  You see I just hold you in utter contempt, but the smile on my face well it makes me exempt for I have the weapon of global TV which gives us connection and invites empathy.   You would really believe that we look out for you, while we Bankers and Brokers are only a few,  but if you saw that then you’d take back the power. Hence daily terrors to make you all cower. The Panics the crashes the wars and the illness that keep you from finding your Spiritual Wholeness.  We rig the game and we buy out both sides  to keep you enslaved in your pitiful lives.  So go out and work as your body clock fades and when it’s all over a few years from the grave you’ll look back on all this and just then you’ll see that your life was nothing, a mere fantasy.  There are very few things that we don’t now control.  To have Lawyers and Police Force was always a goal.  Doing our bidding as you march on the street but they never realise they’re only just sheep, for real power resides in the hands of a few.  You voted for parties what more could you do?  But what you don’t know is they’re one and the same.  Old Gordon has passed good old David the reigns and you’ll follow the leader who was put there by you, but your blood it runs red while our blood runs blue, but you simply don’t see its all part of the game.  Another distraction like money and fame.   Get ready for wars in the name of the free Vaccinations for illness that will never be, the assault on your children’s impressionable minds and a micro chipped world, you’ll put up no fight.   Information suppression will keep you in toe.  Depopulation of peasants was always our goal, but eugenics was not what we hoped it would be.  Oh yes it was us that funded Nazis!   But as long as we own all the media too, what’s really happening does not concern you, so just go on watching your plasma TV  and the world will be run by the ones you can’t see.

Written By Craig-James Moncur  16/10/2009

Craig-James Moncur is an Edinburgh based Actor/Producer. Best known for his role as “Harry Hastings” in BAFTA Winning CBBC Series Jeopardy, as well as roles in Monarch of the Glen, Inspector Rebus and How Not to Live Your Life. Founder of 33rd Degree Films (2011).

Recent productions include “The Banker” which has recevied viral status and over 200,000 YouTube views and premiered at the 2011 Myrtle Beach International Film Festival. Producer of “Choices” a film for the British criminal justice system and premiered at the 2011 Edinburgh International Film Festival.

Robert Happé + Como lidar com o caos que estamos vivendo hoje

Robert Happé fala sobre espiritualidade, como equilibrar as polaridades, e sobre a energia de aquário ultrapassar a era de 2012.

Robert Happé nasceu em Amsterdã, Holanda. Estudou religiões e filosofias na Europa e dedicou-se desde então a descobrir o significado da vida.
Estudou também Vedanta, Budismo e Taoísmo no Oriente durante 14 anos, tendo vivido e trabalhado com nativos de diferentes culturas de cada região onde esteve – Índia, Tibet, Camboja e Taiwan.
Em seu retorno à Europa, sentiu necessidade de compartilhar o conhecimento adquirido e suas experiências de consciência. A partir daí, trabalhou em várias universidades, e tem trabalhado continuamente com grupos de pessoas interessadas em autoconhecimento e desenvolvimento de seus próprios potenciais como seres criadores.
Desde 1987 vem compartilhando informações em forma de seminários e workshops em países da Europa, na África do Sul, nos EUA, na Austrália, e no Brasil.
Seu trabalho é independente, estando desvinculado, sob todo e qualquer aspecto, de organizações religiosas, seitas, cultos e outros grupos.